Você está em: Início / Tag / Keira Knightley

Orgulho e Preconceito

por • 3320 Acessos

Orgulho e Preconceito

Minha Classificação:
Orgulho e Preconceito goodreads
de
Publicação: em 2008
Gênero:
ISBN: 9788588781382
Título Original: Pride and Prejudice
Páginas: 400
Tradução: Marcella Furtado
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamericanasshoptimewalmartamazonkindle
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

A família Bennet é uma das mais importantes de Hertfordshire, na Inglaterra, em 1811. Sr. Bennet, Sra. Bennet, Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia moram em Longbourn; e com a chegada do Sr. Bingley a Netherfield, a Sra. Bennet enxerga nele um possível marido para uma de suas filhas. Porém, o melhor amigo de Bingley, Sr. Darcy é extremamente orgulhoso e causa má impressão em todos – principalmente em Elizabeth. Entre encontros e desencontros, a vida de Lizzy e Darcy se cruza de uma maneira imprevisível.

– Isso é bem verdade, – replicou Elizabeth – e eu poderia facilmente perdoar seu orgulho, se ele não tivesse mortificado o meu. Pág. 15

É uma verdade universalmente reconhecida que Orgulho e Preconceito é meu livro preferido da vida (tão favorito que possuo nada menos que: uma cópia em português, uma bilíngue, duas em inglês, uma em alemão, uma em quadrinhos, Orgulho e Preconceito e Zumbis e Cinquenta Tons do Sr. Darcy – sim), portanto, essa resenha não será de modo algum imparcial. Escrevo aqui desde 2012 (bastante tempo né?!) e penso que seja um absurdo ainda não existir uma resenha minha desse clássico atemporal, então o peguei para reler pela bilionésima vez e quando terminei a leitura, estava mais apaixonada do que nunca! É muito lógico que esse livro perdure por tantos anos, porque é uma obra-prima inigualável.

[…] Sem pensar muito bem de homens ou do matrimônio, o casamento sempre fora seu objetivo; era a única provisão para uma jovem bem educada dama de pequena fortuna e, embora incerto de felicidade, deveria ser o mais agradável refúgio contra a necessidade. Pág. 77

A história contada por Jane Austen é classificada como um romance e o é, mas não é apenas isso. Orgulho e Preconceito forma uma crítica social extensa sobre a sociedade do século XIX, com situações que hoje em dia podem parecer absurdas, mas que guardam resquícios no mundo atual. A divisão por classes sociais, a hipocrisia aristocrata, a falta de instrução dos campesinos, a obrigação marital, a alienação material e a falta de respeito às mulheres são tratados de maneira pungente e não disfarçada, mas a construção de texto é leve e fluida. Além disso, penso que o que me conquista (além do elemento romântico, obviamente) é o desenvolvimento e o estudo de caráter dos personagens: a premissa básica é de que as pessoas podem mudar, mesmo mantendo a sua essência. Ao longo do livro, vamos percebendo que o tempo pode fazer com que revejamos conceitos, que nunca é tarde para mudar e que toda ação em prol do amor verdadeiro é válida.

[…] – Minha coragem sempre se ergue a cada tentativa de me intimidar. Pág. 107

Elizabeth Bennet é uma mulher à frente de seu tempo. É inteligente, sagaz, compreensiva e teimosa. Não tem medo de ser quem é e não se intimida por ninguém, muito menos por homem nenhum. O Sr. Darcy é inteligente, orgulhoso, sisudo e soberbo. Porém ao longo do livro, como mencionei anteriormente, os personagens erram, refletem e racionalizam sobre seus erros, além de tentarem ser melhores seres humanos; e a maneira como Jane Austen discute caráter é incrível, pois ela considera que ninguém é fundamentalmente bom ou ruim e que não somos imunes a erros de julgamento. O amor em Orgulho e Preconceito não é apenas amor romântico entre Lizzy e Darcy (esses lindos) – gente isso aqui não é spoiler porque o livro foi publicado em 1813, até uma criança que acabou de nascer sabe que eles ficam juntos no fim – ou Jane e Bingley, embora este seja o destaque e também meu elemento favorito; e que não acontece de modo nem um pouco forçado ou instantâneo, o amor romântico é construído natural e compreensivamente. Existe o amor de Lizzy por Jane, dos Bennet como família e de Lizzy para com Charlotte, e esse amor fraternal é tratado com a importância que merece, porque ele também é responsável por mudar o destino dos personagens: é aí que essa obra se difere de muitas outras, que tratam o amor romântico como única possibilidade. Como o clássico que é, Orgulho e Preconceito já teve várias adaptações, as mais famosas sendo uma minissérie da BBC de 1995 com Colin Firth como Darcy e Jennifer Ehle como Elizabeth; e o filme de 2005 dirigido por Joe Wright, com Keira Knightley como Elizabeth, Matthew Macfadyen como Darcy e Rosamund Pike (uma deusa) como Jane. Sendo suspeita para falar, gosto muito das adaptações e recomendo demais para todos, além de claro, recomendar esse livro que é tão importante para mim.

 

Mesmo Se Nada Der Certo

por • 5041 Acessos

Mesmo Se Nada Der Certo

Minha Classificação:
Mesmo Se Nada Der Certo The Movie DB
de John Carney
Título Original: Begin Again
Estreia: 11 Jul 2014
País: USA
Gênero: Drama, Música
Roteiro: John Carney
Elenco: James Corden, Keira Knightley, Mark Ruffalo, Hailee Steinfeld
Duração: 104 min

Aconteceu uma coisa engraçada: eu assisti esse filme no final de semana e não falei nada com as meninas aqui do blog. Durante a semana quando fui começar a escrever o post, vi que a Camila já tinha começado a escrever, então percebemos que estávamos igualmente obcecadas pelo filme e decidimos escrever juntas. Na verdade não foi engraçado, mas você entendeu.

SINOPSE MAROTA ESCRITA POR NÓS
O filme conta a história de um casal inglês Gretta (Keira Knightley) e Dave (Adam Levine, do Maroon 5, sim) que vão para os Estados Unidos após a música de Dave fazer sucesso. Gretta é compositora e boa parte das músicas do namorado foi composta por ela, só que ao ficar famoso ele termina com ela da maneira mais musical possível.  Ela então vai morar no apartamente de um amigo que toca em bares e convence Gretta a ir junto e cantar uma música. O produtor falido Dan (Mark Ruffalo) está no lugar e enquanto a moça toca, ele vai imaginando a música com os arranjos de outros instrumentos e sabe que precisa produzir a garota.

Gretta nunca quis ser cantora, num primeiro momento não quer ser produzida, mas Dan acaba convencendo ela que precisa ser feito, e mediante a recusa do seu ex-sócio em produzir um CD Demo, eles resolvem gravar um CD por cenários de Nova York, com estudantes de música e outros instrumentistas que topam o projeto, além da ajuda de um cantor que já foi produzido pelo Dan, Cee-lo Green.

Curiosidade: O filme ia se chamar “Can a song save your life?” (Uma música pode salvar sua vida?), mas antes da estreia mudaram para “Begin Again” (algo como “Recomeçar”).

Leia tudo »