Você está em: Início / Tag / 2015

Filho Dourado – Fúria Vermelha 2

por • 3908 Acessos

    Livros da série Fúria Vermelha:

  1. Fúria Vermelha
  2. Filho Dourado
  3. Estrela da Manhã
Filho Dourado – Fúria Vermelha 2

Minha Classificação:
Golden Son goodreads
de
Publicação: em 2015
Gênero:
ISBN: 9788525059543
Título Original: Golden Son
Páginas: 549
Tradução: Alexandre D'Elia
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamazonkobokindle
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

Após os acontecimentos no Instituto, Darrow sobre a proteção da família Augustus vai para a Academia e nem tudo sai conforme o esperado. Mais uma vez Darrow se vê diante de grandes decisões, acordos questionáveis, traições e uma luta por sobrevivência física e ideológica.

Faço o que for necessário fazer. Nem mais nem menos. E preciso de um senhor da guerra. Eu serei Ulisses e você será Aquiles.

Apesar desse ser o segundo livro da série ele não padece da maldição do segundo livro. Brown retoma a fórmula de ação e mais de 80% do livro estamos lendo cenas de confronto, de luta ou guerra. Porém dessa vez ele usa um recurso de esconde e mostra, muitas cenas são desencadeadas de relações, histórias e acordos que não tivemos acesso e não tem problema nenhum, porque nunca parece que foi uma decisão tomada para resolver um problema de narrativa, as pistas tinham sido deixadas antes e só o conhecimento de todas as ações é que surgem depois. Assim como os personagens são surpreendidos pelas ações de Darrow, nós leitores também somos e é instigante saber e ter tanto de um personagem e ao mesmo tempo ter momentos e decisões escondidas que são reveladas no ápice dos acontecimentos.

Um tolo puxa as folhas. Um selvagem corta o tronco. Um sábio desenterra as raízes.

Temos a chance de conhecer personagens que só havíamos ouvido sobre em Fúria Vermelha, Lorn au Arcos é um deles e que personagem espetacular esse homem se mostra. Afastado da sociedade por não coadunar com os métodos da soberana, benevolente e ainda assim um Ouro até a medula, não vê nada de errado com a pirâmide das cores e exala sabedoria e arrogância na mesma proporção. Também conhecemos a Soberana e sua Fúrias, principalmente Aja au Grimmus, e podemos entender melhor a política e operação da sociedade. E entendendo a política veremos golpe atrás de golpe e seremos jogados num redemoinho de traições e levantes, serão tantos que literalmente perdi a conta no meio do livro que consegue mostrar o quão complexo é derrubar um governo vigente com lideranças estabelecidas ao seu lado.

Descobrimos quem é Ares e em nenhum momento tinha me passado pela cabeça que seria esse personagem, para ser sincera não tinha pensado muito sobre ele já que Darrow rouba a cena, mas a cena em que ele se mostra é tão rápida e intensa que foi uma das melhores no livro e demostra que Ares tem o coração no lugar, independentemente de toda base social e objetivos revolucionários.

Você encontrará a ruína porque acredita que exceções à regra produzem novas regras. Que um homem mau pode se livrar dos adornos da maldade só porque você quer que ele o faça. Homens não mudam. É por isso que matei o
 rapaz (…).

E aí temos o final mais desesperador possível depois de uma longa jornada e ao mesmo tempo que você está apreensivo você quer gritar EU AVISEI que isso iria acontecer. Sim, tem um cliffhanger absurdo no final que te faz querer estrangular o autor, mas amar a história. Fazia tempo que não me sentia tão encantada por uma história, por um personagem. Hic sunt leones. 

0
comentário

#53: O Filho Dourado – Fúria Vermelha 2, Pierce Brown

por • 3614 Acessos

Filho Dourado (Red Rising Trilogy, #2)

Filho Dourado (Red Rising Trilogy, #2) goodreads
de Pierce Brown
Série: Fúria Vermelha #2
ISBN: 9788525059543
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamericanasshoptimeamazonkobokindle
A compra pode render comissão ao blog.

Primeira frase da página 100:
Como se cem fosse o bastante para combater a máquina bélica dos Ouros.

Do que se trata o livro?
Após os acontecimentos no Instituto, Darrow precisa continuar mostrando o seu valor. Maquinações políticas, acordos e duelos o esperam na sua jornada para mudar a sociedade.

O que está achando até agora?
Ótimo, Pierce Brown mantém o ritmo de ação do primeiro livro e leva Darrow cada vez mais ao seu limite.

O que está achando da personagem principal?
Eu gosto do Darrow, às vezes ele fica confuso sobre qual atitude tomar, travando uma guerra de lealdade entre sua missão e a amizade com alguns Ouros. E toda vez que ele fica no meio termo sempre faz burrada. Porém, quando toma uma decisão ele é como uma flecha: rápido e certeiro. Definitivamente um dos melhores protagonistas que li esse ano.

Melhor quote até agora:

Está claro que eu não sou amada. Se eu fosse amada, haveria um coração aqui pra saciar minha fome de vingança. Se eu fosse amada, minha família honraria o irmão perdido. Mas eu não sou amada. Ele não é vingado. Eles não fazem nada. O que foi que eu fiz para merecer uma família tão odiosa?

Vai continuar lendo?
Definitivamente, mal posso esperar para descobrir mais sobre a jornada de Darrow.

Última frase da página:
Dancer sempre o respeitou - digo. - Eu o respeito, apesar de todas as... excentricidades dele.

Corte de Espinhos e Rosas – Corte de Espinhos e Rosas 1

por • 5753 Acessos

    Livros da série Corte de Espinhos e Rosas:

  1. Corte de Espinhos e Rosas
  2. Corte de Névoa e Fúria
  3. A Court of Wings and Ruin
Corte de Espinhos e Rosas – Corte de Espinhos e Rosas 1

Minha Classificação:
A Court of Thorns and Roses goodreads
de
Publicação: em 2015
Gênero:
ISBN: 9788501105875
Título Original: A Court of Thorns and Roses
Páginas: 434
Tradução: Mariana Kohnert
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamazonkindle
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

Depois de ler Trono de Vidro, ao invés de pegar no segundo volume, resolvi ler Corte de Espinhos e Rosas por ser uma outra série e uma outra proposta com o intuito (cruel, eu sei) de ver se a autora era boa mesmo, e me surpreendi ao ler o livro muito mais rápido do que eu imaginava.

Feyre é uma jovem camponesa e caçadora, mas a vida não foi sempre assim. Sua família era rica, e quando caiu em desgraça, suas irmãs e seu pai ficaram em um estado dormente enquanto ela foi obrigada, por uma promessa à sua mãe em seu leito de morte, a cuidar de sua família mesmo sendo a caçula da casa. Então se tornou caçadora e foi se adequando às situações ruins da vida para manter sua família alimentada mesmo no inverno rigoroso das terras mortais, terras essas que foram arrasadas por uma guerra entre humanos e feéricos há muito tempo atrás. Em uma noite de caçada, Feyre mata um lobo, e essa morte vai lhe custar sua liberdade.

Minha boca secou enquanto eu avaliava seus estranhos rostos mascarados: sobrenaturais, primitivos e imponentes. Como deuses imóveis ou cortesãos ferais. Pág. 67

Sarah J. Maas, mais uma vez, me deleitou com a sua capacidade incrível de escrever um bom livro. No começo eu até achei que fosse ser um pouco chato ou maçante, mas ela conseguiu estabelecer um universo diferente e sólido a partir das primeiras páginas. Logo de início eu fiquei com um pé atrás porque minha amiga tinha me dito que a história era parecida com A Bela e a Fera, mas como eu disse, a narrativa é muito diferente, e em raros momentos até homenageia o clássico, mas sempre com o estilo da autora. Não há exagero nenhum, e isso pra mim foi o ponto mais positivo do livro: ele tem personalidade! Tanto a Feyre maravilhosa quanto Tamlin, quanto (amor ruivo) Lucien, quanto (meu amorzinho) Rhysand, os seres feéricos, tudo é muito diferente, muito “concebível” na cabeça, sabe? 

Se eu não estivesse me equilibrando na corda entre a vida e a morte, teria dado um riso de deboche. Pág. 322

Eu já havia amado a Celaena e com Feyre não foi diferente. Mesmo sendo duas heroínas distintas, elas se parecem um pouco – na língua afiada, personalidade forte – mas eu achei Feyre bem menos ingênua que Celaena, por mais que a última seja uma assassina. Feyre desconfia de tudo e de todos, não se deixa enganar e raramente faz o que lhe dizem pra fazer, o que em partes, me irritou. A Cibele e eu concordamos muito nisso: existem personagens muito idiotas nessa vida. A pessoa fala “não faça x coisa” e a Feyre vai lá e faz. “Faça y coisa que tudo ficará bem” e ela vai lá e não faz. Paciência! Nesse livro isso não aconteceu a torto e a direito, porém acontece e isso já é suficiente para reclamar. Fora isso, existem alguns pontos que eu achei meio previsíveis na história, mas nada muito radical, nada que diminua a qualidade do livro. Por último mas não menos importante, sinto cheiro de triângulo amoroso vindo por aí e espero que a autora saiba trabalhar bem para que o segundo volume, assim como esse, ganhe cinco estrelas.