Você está em: Início / Resenhas De Livros / Genero / Suspense

The Last Mrs. Parrish

Por 3038 Acessos

The Last Mrs. Parrish

Minha Classificação:
The Last Mrs. Parrish goodreads
de
Publicação: em 2017
Gêneros: ,
ISBN: 9780062688163
Páginas: 560
Nível no Idioma Original: Intermediário
Lançamento no Brasil: Sem Previsão
Compre em lojas confiáveis:
amazon
A compra pode render comissão ao blog.

Amber cresceu numa família pobre em uma cidade pequena dos Estados Unidos. Hoje já adulta, ela carrega o sonho de viver uma vida de luxo e decide então “roubar” a de Daphne, uma socialite casada com um homem lindo, apaixonado e rico. Óbvio que conseguir roubar o marido e a vida de outra mulher não vai ser tarefa fácil, mas Amber está disposta a fazer o que for para nunca mais passar dificuldades financeiras na vida.

“Amber lembra de ter lido que atores pensam na coisa mais triste possível para conseguir chorar quando preciso. Ela estava tentando pensar em uma lembrança para chorar, mas a coisa mais triste que conseguiu imaginar é que não era ela a pessoa sentada na cadeira de Daphne, a dona dessa casa incrível.”

Sabe por que eu fiquei interessada por esse livro? Nos comentários de quem tinha lido, a maioria comparava com outro livro que eu amo com força (se eu falar qual pode ser spoiler dele, mas vou deixar o link da resenha aqui se você quiser clicar por sua conta e risco). Perceba que a editora não tentou vender o livro falando ser parecido com esse outro, foram os próprios leitores, e o pior é que realmente me lembrou demais em certos aspectos. Só pela frase acima já dá para notar como a Amber é sociopata e não sei como não amar uma protagonista tão problemática assim.

“Amber Patterson estava cansada de ser invisível.”

O livro é dividido em três partes: a primeira é a versão da Amber, a segunda é da Daphne e a terceira é a resolução da história mostrando como as coisas vão acontecer agora que você leitor – mas ainda não as personagens – sabe a verdade sobre tudo. A segunda parte traz um belo plot twist, mas que eu já esperava já que a primeira parte é cheia de sinais que apontam para isso. Mayra tava lendo também e logo no começo eu mandei uma mensagem para ela falando o que acabou sendo a reviravolta do livro. A versão da Daphne não é nada feliz e eu fiquei muito nervosa em diversas partes. Acredito que se você não estiver esperando as revelações que essa parte traz, fique tudo melhor ainda.

“Só o que ela precisava de Amber era tudo.”

O suspense é bem construído e sei que “uma mulher querendo roubar o homem da outra” não é a coisa mais legal da Terra, mas acredita em mim, a história é boa. Meu maior problema com o livro, no entanto, foi o final que não tem nada de errado, minhas expectativas que me fizeram querer outra coisa mesmo. A culpa da decepção é toda minha já que o desfecho foi justo e coerente com a história apresentada. O livro foi lançado mês passado então ainda não li notícias a respeito de adaptação, mas acho que seria um ótimo filme (principalmente se colocarem o final que eu queria rs) e na minha cabeça a Rachel McAdams como Daphne e até como a Amber – já pensou? – seria perfeito.

Trigger Warning com SPOILER: o livro contém cenas de abuso físico e emocional.

Tony & Susan

Por 6043 Acessos

Para conferir a resenha da adaptação "Animais Noturnos", clique aqui.

Tony & Susan

Minha Classificação:
Tony & Susan goodreads
de
Publicação: em 2011
Gêneros: ,
ISBN: 9788580570663
Título Original: Tony and Susan
Páginas: 336
Tradução: Rubens Figueiredo
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamazonkobokindle
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

Susan e Edward se divorciaram há mais de 20 anos e durante esse tempo, ambos se casaram com outras pessoas e perderam o contato um com outro. Mas numa noite, sem aviso, Susan recebe um pacote de Edward com um livro que ele escreveu e gostaria que ela lesse para oferecer uma opinião sincera. Após pensar muito, Susan decide mergulhar em “Animais Noturnos”, a história de Tony.

“Susan não é capaz de dizer se o que reflete ali é uma tristeza que a imaginação dela mesma ajudou a formar, ou se, ao contrário emite uma tristeza própria.”

Eu decidi ler esse livro porque o filme com o crush Jake Gyllenhaal baseado nele estava prestes a estrear e eu queria conhecer a história escrita antes de ver sua adaptação. Esta ficção foi vendida como sendo sobre vingança dentre outras coisas (veja na página oficial no site da editora) e talvez eu seja muito ruim em interpretar simbolismos, mas não enxerguei o livro dessa forma. Tony & Susan por si só não é difícil de entender, é basicamente um livro dentro de um livro. Ao mesmo tempo que conhecemos a história de Susan tanto com Edward quanto com seu atual marido, acompanhamos em “Animais Noturnos” a violenta história sobre como Tony perdeu sua família. A conexão entre as duas histórias é bem sutil e eu ficaria mais convencida se tivessem me dito que em vez de vingança, Tony & Susan falava sobre as duas versões de uma mesma verdade porque foi assim que compreendi tudo o que aconteceu.

“(…) ninguém escreve sobre outra coisa senão sobre si mesmo.”

Durante todo o livro Susan não faz nada além de ler “Animais Noturnos” e pensar no seu passado, ela não interage de verdade com nenhum outro personagem e talvez por não saber exatamente como ela estava se sentindo, não sei como a história mexeu com ela além de um básico “gostei” ou “não gostei” que foi o mais perto que ela chegou de demonstrar qualquer emoção. No entanto, o que acontece com Tony é bem interessante e durante as primeiras páginas eu fiquei tensa o tempo inteiro querendo saber o que aconteceria a seguir. Com o passar das páginas os acontecimentos foram ficando desinteressantes e ao final eu só queria terminar, já não me importava mais com nenhum personagem ou acontecimento. Isso vale tanto para o livro dentro do livro como para Tony & Susan.

De forma geral esse não é um livro ruim, mesmo que eu não tenha “comprado” a proposta pela qual o livro foi vendido, não acho que a leitura tenha sido uma perda de tempo. Teve partes interessantes e sem dúvida me deixou tensa por um tempo, mas para mim vai ser lembrado como uma boa ideia mal aproveitada. A história inicial tinha muito potencial que não foi aproveitado durante as muitas páginas do livro. Espero que a adaptação tenha conseguido levar para as telas a emoção que Tony & Susan falhou em entregar.

0
comentário

Jantar Secreto

Por 8244 Acessos

Jantar Secreto

Minha Classificação:
Jantar Secreto goodreads
de
Publicação: em 2016
Gêneros: , ,
ISBN: 9788535928358
Páginas: 376
Compre em lojas confiáveis:
saraivaculturasubmarinoamazonkobokindle
A compra pode render comissão ao blog.

Dante e mais quatro amigos saem de Pingo D’água, uma cidade do interior do Brasil para fazer faculdade no Rio de Janeiro. Depois de formados, eles continuam frustrados pois imaginaram um futuro cheio de riqueza e glória, mas tinham apenas uma vida normal, a vida que a maioria dos jovens recém formados de 20 e poucos anos têm. Quando dificuldades financeiras aparecem, a ideia de um jantar secreto, onde o prato principal é feito de carne humana, parece ser a ponte que vai levá-los a tudo o que sempre sonharam.

“Você provavelmente quer saber como tudo começou. Se não for o tipo de pessoa que se impressiona à toa, posso te contar os detalhes.”

A história já começa sem enrolação: logo no primeiro capítulo fica claro que vamos acompanhar uma jornada sobre canibalismo. Se você tiver comprado Jantar Secreto sem ler a sinopse, a verdade está logo ali e você vai passar as páginas ciente do que vai vir a seguir. Se você já leu algo do autor, a riqueza de detalhes que será usada para ilustrar o sabor e textura da carne, dentre outras coisas que me traumatizaram, não será novidade, mas se nunca leu, te desejo apenas sorte. Eu não leio muitos livros de terror, então falar para você que esse é o mais nojento que já li não é dizer muita coisa. No entanto, entendo o motivo que o levou a escrever tudo desta forma, creio que no começo da história a intenção podia ser chocar o leitor, mas depois de um tempo creio que os detalhes tenham continuado para você nunca esquecer o horror do que está acontecendo ali. Como a história é contada pelo protagonista, e ele nunca esquece, me parece apenas justo.

Eu já devo ter falado isso em outros posts, não me impressiono facilmente. Vejo filmes de terror nojentos enquanto almoço sem o menor problema, mas o Raphael Montes tem uma forma de contar sua história que me fazem imaginar tudo de um jeito que me deixa muito enjoada. Lendo esse livro eu tive que parar várias vezes simplesmente para não passar mal. Claramente eu não sei onde tava com a cabeça ao decidir ler um livro sobre canibalismo escrito pelo autor. Inclusive só folhear as páginas para encontrar as frases para esse post já me deixou enjoada de novo.

“Mecanicamente, ele massageava com os dedos os pedaços de bife suculentos, altos, tão convidativos que nem parecia mais de gente. Sem dúvida, se vendesse no mercado, todo mundo compraria.”

Parando um pouco de falar sobre as sensações físicas que o livro me causaram, mas sem parar de falar totalmente, eu tenho que dizer, sem surpresa nenhuma, que esse livro é bom. Muito bom. Eu li a história inteira sem concordar com a atitude dos personagens e mesmo assim consegui entender seus dilemas morais e me envolver na história, apesar de ficar o tempo inteiro enojada e revoltada. A narrativa é ágil e mesmo quando eu estava no meu limite, eu queria continuar lendo, toda vez que eu falava para alguém “vou vomitar” e a pessoa respondia “para de ler ué” eu apenas não conseguia. É tudo tão bom assim. E como não podia deixar de ser, aconteceram reviravoltas maravilhosas e eu fui otária, otária demais, se tem pessoas nessa Terra capaz de me fazer de otária, são elas Raphael Montes e Gillian Flynn.

“A verdade é que você não precisa comer carne humana para incentivar atos monstruosos, basta curtir um bife e uma linguiça que já está dando sua contribuição para o horror.”

Em diversas passagens o autor não deixa de apontar o quanto as coisas horríveis que acontecem na história com humanos não são tão diferentes das que acontecem com os animais que as pessoas comem no dia a dia. Muitas vezes o narrador soa como se estivesse puxando a orelha do leitor mostrando que se você que come carne não deveria se sentir incomodado com o que acontece aqui ou estará sendo hipócrita. Para quem nunca parou para pensar nisso, pode ser um choque de realidade.

“O ser humano é um bicho escroto por natureza. Não importa o que digam, todo mundo é assim. Ricou ou pobre, negro ou branco, velho ou novo, não interessa. Somos todos iguais em escrotidão.”

Raphael Montes conseguiu trazer uma obra que me despertou diversos sentimentos e sem dúvida é um dos melhores que li esse ano. Dei “apenas” 4 estrelas pelo mal estar que senti durante toda a leitura. Claro que isso prova que o livro é realmente bem escrito, do contrário eu não teria sentido nada, mas de qualquer forma foram quatro dias difíceis na minha vida. Os outros dois livros do autor que li traziam histórias igualmente assustadoras, porém que afetavam apenas as pessoas diretamente envolvidas no que acontecia, já Jantar Secreto trouxe uma ficção mais apavorante por ser em larga escala, quase um episódio de Black Mirror. De suas histórias essa foi com certeza a mais ambiciosa e eu tenho medo do que ele vai escrever a seguir, apesar de saber que, se eu li um livro sobre relacionamento abusivo e outro sobre canibalismo, com certeza vou ler o próximo sem nem pensar duas vezes.