Top 3 – Estreias de Filmes

por • 3228 Acessos

Ultimamente venho riscando no calendário a data de alguns filmes que estou muito ansiosa para assistir, daqueles que a expectativa está lá no alto e que espero fortemente não me decepcionar. 

Assassinato no Expresso do Oriente – Novembro

Apesar de ter devorado quase toda a obra da Agatha Christie eu nunca vi nenhuma adaptação dos seus livros, erro que será corrigido agora em novembro com a estreia dessa adaptação. Esse é um dos meus livros preferidos da autora e traz meu detetive preferido de todos os tempos, Hercule Poirot.  Com um elenco de nomes fortes como Penelope Cruz, Michelle Pfeiffer, Judi Dench, entre outros, estou esperando que seja um tremendo sucesso e abra as portas para novos filmes do detetive. Esse livro foi adaptado pela primeira vez em 1974, porém ainda não tive a oportunidade de assisti-lo. 

It – A Coisa – Setembro

Apesar de ser extremamente medrosa e fugir de todo e qualquer filme de terror, após ler o livro do Stephen King estou extremamente tentada a ir assistir no cinema essa adaptação, que também será um remake, já que o palhaço mais assustador da ficção já apareceu nos cinemas em 1990. Essa adaptação já foi aprovada pelo King, que possui um histórico de não gostar muito das adaptações das suas obras, e diferente do primeiro, dessa vez a história será dividida em dois longas e tem tudo para dar conta do tijolo que é o livro A Coisa.

Mulher Maravilha – Junho

Ok, agora é a hora DC, depois de vários filmes decepcionantes estou apostando todas as minhas fichas em Mulher Maravilha. Apesar de amar super-heróis já estava na hora das super-heroínas chegar nas telonas, então por favor DC, não estrague isso. Por enquanto tenho grandes esperanças com os trailers lançados e espero no mínimo um roteiro coerente e um bom desenvolvimento da personagem, que acabou meio perdida em Batman x Superman. Faltam duas semanas para a estreia e a ansiedade está batendo forte e o medo de ser um desastre também. 

American Gods

por • 3257 Acessos

Para conferir a resenha do livro "Deuses Americanos", clique aqui.

American Gods

Minha Classificação:
American Gods - 2017 The Movie DB
de Neil Gaiman
Status: 1 temporada (renovada)
Episódios vistos: 8
Elenco: Ricky Whittle, Emily Browning, Bruce Langley, Yetide Badaki
Gênero: Ficção científica, Fantasia, , Drama, Mistério
Canal Original: Starz
Duração do Episódio: 60 minutos

Dia 30 de abril deste ano estreou pelo canal estadunidense Starz a série American Gods, baseada no livro homônimo de Neil Gaiman, Deuses Americanos. Shadow Moon acaba de sair da cadeia após passar três anos encarcerado, porém ele sai alguns dias antes do previsto pois sua esposa morreu num trágico acidente de carro. Indo para o velório, no avião ele conhece Mr. Wednesday, um senhor misterioso que lhe oferece emprego e, sem rumo algum em sua vida e sem muita vontade de pensar, Shadow aceita o trabalho e acaba se envolvendo na perigosa guerra entre os velhos e novos deuses. Esse post não contém spoilers!

… Sim, eu gosto de marshmallows.

Admito que estava com um medo maior que a expectativa para assistir essa série, pois como amei infinitamente o livro, pensei que a possibilidade de conseguirem estragar a história ia ser grande – ainda mais que o livro se passa no começo dos anos 2000, onde a internet era muito mal uma realidade e a série é adaptada para os dias atuais. Acompanhei o casting (escolha de elenco), as imagens que saíam, os pôsteres dos personagens, o trailer (clique aqui para assisti-lo, lembrando que CONTÉM SPOILERS do livro)… Portanto, esperei três episódios saírem para vir aqui escrever sobre o que achei e sobre os pontos negativos e positivos até agora e preciso deixar claro logo de início que todas as minhas expectativas foram positivamente superadas por American Gods e fiquei extremamente feliz que foi renovada (porque realmente a história é densa demais para ser reproduzida em apenas 8 episódios, que vão ao ar nessa temporada). Tenho a sensação que o Starz entregou o projeto nas mãos do Bryan Fuller, do Neil Gaiman e do Michael Green e disse: façam o que vocês quiserem. Mesmo de início (a temporada não está nem na metade) já dá para dizer que a adaptação é seriamente fiel à obra literária, o roteiro é praticamente o livro e existem momentos que os diálogos parecem transcritos exatamente como estavam nas páginas de Deuses Americanos. Além disso, a direção de arte é excepcional de forma a tornar cada episódio linda e visualmente espetacular, e tudo é feito de forma a manter a pegada meio doida/psicodélica/fantástica/épica do livro.

Raiva é boa.

Mesmo sendo uma série de ficção, American Gods anda trazendo questões muito relevantes (também presentes no livro) para os Estados Unidos da América, como por exemplo, a confirmação de que o país é miscigenado culturalmente mas que até hoje sofre com racismo. Os fatos de que a deusa da beleza e do amor é negra, o protagonista é negro, deuses africanos estão sendo representados, egípcios são representados por negros e homens árabes e muçulmanos estão sendo retratados como seres humanos complexos e sentimentais como quaisquer outros são de extrema importância, principalmente na TV americana que adora enfiar gente branca (o famoso whitewashing) em tudo. Temos também deuses nórdicos e europeus, é claro. A série ganhou manchetes em seu primeiro episódio porque mostra uma deusa “engolindo” um homem por sua vagina (o que também ocorre no livro), porém no terceiro episódio foi ao ar a cena de sexo gay (entre homens) mais explícita e longa da história da televisão, e a mídia ficou mais pasma ainda enquanto euzinha fico apenas feliz por ver mais representatividade de todos os gêneros em algum show de TV. Sem contar que há nus frontais masculinos e femininos em igual proporção – coisa que não acontece em Game of Thrones, por exemplo.

Eles sentam lado a lado, ignorando uns aos outros, e se rendem à mim.

A escolha de elenco foi muito acertada. Tive um receio gigante de que Ricky Whittle não fosse ser um bom Shadow, mas me encontro perdidamente apaixonada por ele (obrigada por tirarem a camisa dele em todos os episódios, que corpinho cremoso!) e, por incrível que pareça, o ator conseguiu dar mais vida e carisma ao protagonista! Ian McShane é um ator sensacional e está conseguindo transferir todo o carisma misterioso necessário para Wednesday e a química entre ele e Ricky Whittle é fantástica – a cena dos Jesuses é uma obra prima. Pablo Schreiber está ótimo de Mad Sweeney, um dos meus personagens favoritos do livro (também um corpinho cremoso); Yetide Badaki é lindíssima e uma deusa real como Bilquis; Peter Stormare é o melhor Czernobog que qualquer um poderia querer; Gillian Anderson obviamente excepcional como Media; e mesmo que Emily Browning ainda não tenha aparecido muito, aposto que dará um show como Laura que com certeza é minha personagem favorita do livro. Outros personagens queridos por mim ainda não tiveram suas grandes aparições, contudo já amo Mr. Nancy (Orlando Jones), Mr. Jacquel (Chris Obi) e Mr. Ibis (Demore Barns) porque não tem como não amar. Duvido muito que a série vá desandar daqui pra frente porque dá para perceber o afinco e o cuidado com os quais cada cena é feita, sendo uma homenagem ao clássico contemporâneo de Neil Gaiman extremamente bem feita – até porque tem as mãos dele nisso também. Ando vendo uma galera comentando que não está entendendo muito da série, no entanto continua assistindo porque sim e tenho um comentário a fazer: no começo do livro não dá para entender muita coisa, principalmente porque estamos acompanhando os acontecimentos com o olhar forasteiro de Shadow, só em meados do livro – penso que da série idem – que começamos a compreender aquela maluquice toda. Costumo dizer que Deuses Americanos é uma viagem de ácido muito louca de um jeito maravilhoso, porque é diferente e inspirador e único à sua maneira, e a série felizmente está seguindo o mesmo caminho. 

Shadow enorme e xícara pequena = ♥

Antes de Dormir

por • 3287 Acessos

Para conferir a resenha do livro "Antes de Dormir", clique aqui.

Antes de Dormir

Minha Classificação:
Antes de Dormir The Movie DB
de Rowan Joffe
Título Original: Before I Go to Sleep
Estreia: 31 Out 2014
País: UK, EUA, França, Suíça
Gênero: Drama, Mistério, Thriller
Roteiro: Rowan Joffe, S.J. Watson (livro)
Elenco: Nicole Kidman, Colin Firth, Mark Strong, Ben Crompton
Duração: 92 min
Compre em lojas confiáveis:
submarinoamericanasshoptime
A compra pode render comissão ao blog.

Christine acorda todos os dias sem saber onde está e achando que ainda tem 20 e poucos anos. Todos os dias, seu atencioso marido Ben, a lembra do acidente que ela sofreu e do problema de memória que ao dormir faz com que ela esqueça tudo o que viveu no dia anterior. Só que talvez ele não esteja dizendo toda a verdade pois videos diários gravados por ela mostram que muitas coisas não são o que parecem. Eu escrevi a sinopse assim beeeeeeeem superficial e sei que você deve ter perguntas do tipo “como ela sabe dos vídeos?” e “como lembra de gravar todo dia?”, mas o filme responde tudo isso e mais, eu que não quis estragar mesmo.

Eu terminei de ver Como se fosse a primeira vez bem assustada com o final, sabe? A moça acorda todo dia do lado de um cara “estranho”, sem saber o que está acontecendo com ela e Antes de Dormir é praticamente aquela história contada por essa perspectiva, um conto de terror e não uma comédia romântica. E Nicole Kidman, como sempre a dona da atuação, me fez sentir ainda mais medo por tudo o que estava acontecendo.

Eu li o livro antes e logo no primeiro capítulo já percebi o maior mistério da história e, não sei se já tive esse sentimento com outra obra, mas neste caso eu queria ter visto o filme sem ter lido o livro. Na adaptação todos os elementos foram pensados para manter o suspense pelo maior tempo possível. Toda hora que eles te dão uma pista verdadeira, ao mesmo tempo te jogam uma falsa com o intuito de confundir mesmo e isso faz com que o mistério dure até o momento da grande revelação. De todos os pontos positivos o que mais gostaria de ressaltar é a escolha de elenco. Para a história sendo contada, a escolha de certos atores para certos papéis fez toda a diferença. Ai como eu queria ter visto antes de ler o livro. Já falei isso?

O filme está atualmente disponível na Netflix e é uma boa ideia para quem gosta de suspense e especialmente para quem não leu o livro. E se você não leu, que inveja de você!