Você está em: Início / Categoria / Filmes

James Bond – A História do Icônico Agente Secreto 007

Por 1378 Acessos

Muita gente não sabe, mas as aventuras do agente secreto mais famoso das telas de cinema são baseadas em uma série de livros. São quatorze, escritos pelo britânico Ian Fleming e inspiradas em suas experiências como comandante de inteligência na Marinha Real Britânica durante a Segunda Guerra Mundial  – e, também, em pessoas que ele conheceu na mesma época.

Fleming escreveu os seus livros em uma cidadezinha litorânea chamada Oracabessa, no norte da Jamaica. O autor conheceu o lugar ao ser designado para averiguar a suposta presença de submarinos alemães no Mar do Caribe. Sua casa na ilha foi batizada de Golden Eye, homenageando uma operação de inteligência naval que ele planejara durante a guerra e da qual sentia muito orgulho.

Seu protagonista, James Bond, teve seu nome copiado de um especialista em aves. Como assim né? Simples: Fleming era um entusiasta da observação de pássaros e um de seus livros era de autoria de James Bond –  o ornitólogo, e não o agente secreto. Além disso, os gostos em roupas, carros e bebidas de Bond levam muito das preferências pessoais de seu criador.

No cinema, o primeiro livro a ter sua história contada nas telas foi “007 Contra o Satânico Dr. No”, que estreou em 1962. Os filmes foram produzidos pela EON Productions, detentora dos direitos cinematográficos, e, até agora, formam um total de 24 longas. Hoje, 007 forma a quarta franquia mais lucrativa de todos os tempos, atrás apenas do Universo Marvel Cinematográfico, Harry Potter e Star Wars.

Source: Flickr

O famosíssimo James Bond já foi protagonizado por seis atores diferentes na série original. O primeiro deles foi Sean Connery, até então pouco conhecido. O primeiro filme da série foi um sucesso de bilheteria mundial, mesmo tendo um orçamento baixo, e elevou Connery ao patamar de ícone dos anos 1960. Ao todo, o ator protagonizou os filmes do agente secreto por seis vezes e é considerado um dos melhores no papel, se não o melhor.

Em 1967, Connery decidiu abandonar o personagem dando lugar a George Lazenby. O ator estrelou apenas um filme da franquia – 007 A Serviço Secreto de Sua Majestade – em 1969. Em seguida, foi a vez de, novamente, Sean Connery assumir a pele do agente secreto britânico em 007 – Os Diamantes São Eternos, de 1971.

Source: Wikimedia

O próximo na lista é inglês Roger Moore, que encarnou o protagonista em 1973 com 007 Viva e Deixa Morrer. A aprovação do ator para o papel foi tanta, que, em 1974, ele estrelou 007 Contra o Homem da Pistola de Ouro e, em sequência, mais cinco filmes da franquia. Moore é, até os dias de hoje, o ator que mais interpretou o agente 007, vivendo o personagem, ao todo, sete vezes.

Source: Wikimedia

Com a aposentadoria de Roger Moore, Timothy Dalton assumiu o personagem duas vezes em 007 Marcado Para a Morte, de 1987, e 007 Permissão para Matar, em 1989. Seis anos depois, é a vez de Pierce Brosnan. O ator irlandês teve sua estreia como James Bond em 007 Contra GoldenEye (1995) e chegou a dar vida ao agente secreto em mais três produções. Com ele, Bond entrou no Século XXI e a franquia, que estava em baixa no final dos anos 1980, renasceu.

Source: Wikimedia

Por fim, temos Daniel Craig, o sexto ator a interpretar o papel do agente secreto 007. Quando foi anunciado que o papel era de Craig, muitos fãs da série foram contra e chegaram até a tentar boicotar o filme. Existiam críticas sobre ele ser baixo e loiro demais para o personagem – originalmente com cabelo escuro nos romances de Fleming. Agora, doze anos depois, o ator não apenas já encarnou o personagem quatro vezes, como  ainda está confirmado para mais um filme da franquia.

Coincidentemente, o primeiro filme de Daniel como James Bond – 007 Casino Royale -, foi também a adaptação do primeiro livro escrito por Fleming publicado em 1953. No filme, Bond precisa jogar poker (no livro, baccarat) contra o vilão, Le Chiffre, para, assim, levá-lo à falência. Depois de algumas complicações, 007 ganha o jogo com a mais alta e matematicamente difícil das mãos do poker – um straight flush contra um full house -, mas a história está apenas começando.

Com várias reviravoltas, o filme se desenrolada de forma surpreendente e espetacular. Após o sucesso de sua estreia, Craig também interpretou o personagem em 007 – Quantum of Solace, 007 Operação Skyfall e, mais recentemente, 007 Contra Spectre. Em novembro de 2019, o ator fará sua despedida do personagem em “Bond 25”, vigésimo quinto filme da série e de nome a ser definido.

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos

Por 3709 Acessos

Para conferir a resenha do livro "O Hobbit", clique aqui.

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos

Minha Classificação:
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos The Movie DB
de Peter Jackson
Título Original: The Hobbit: The Battle of the Five Armies
Roteiro: Peter Jackson, Fran Walsh, Philippa Boyens, Guillermo del Toro
Elenco: Martin Freeman, Ian McKellen, Richard Armitage, Ken Stott, Graham McTavish, William Kircher
Estreia: 10/12/2014
País: New Zealand, EUA
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturasubmarinoamericanasshoptime
A compra pode render comissão ao blog.

Como disse nos dois posts anteriores, O Hobbit foi dividido em três filmes, e nesse capítulo final temos a destruição da Cidade do Lago por Smaug e a defesa de Erebor que culmina na batalha entre homens, elfos, orcs e anões. Ah, e um hobbit também.

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos começa exatamente no final de A Desolação de Smaug, dando uma ótima continuidade ao segundo longa. A destruição da Cidade do Lago tem cenas fortes com a cidade toda queimada e as pessoas tentando fugir e tal, aliás, muitas cenas do filme são fortes, porém minha maior consideração aqui é de que parece que o CGI (computação gráfica) não foi muito bem desenvolvido de um filme pra outro – não que seja ruim, mas não é muito muito bom. O longa é todo ação, e quase em momento nenhum há cenas que não sejam de luta, e isso é extremamente plausível com os ritmos de roteiro e direção, porque afinal, é o final de uma jornada que culmina numa guerra, então o que tinha que ser resolvido calmamente e diplomaticamente foi nos filmes anteriores. 

Peter Jackson optou por se ater bastante aos acontecimentos do livro mais adicionando do que mudando a trama, e concordo que para a adaptação, isso foi necessário, porque adicionou muitas coisas que seriam necessárias cinematograficamente para dar continuidade à história, seguindo para O Senhor dos Anéis. A treta de Dol Guldur tem uma cena de luta apenas in-crí-vel (assim como todas do filme) que tem reflexo direto na trilogia do Anel e a parte de Gundabad foi rápida, porém necessária. Óbvio que mais uma vez, o trabalho de adaptação de Peter Jackson é inigualável e qualquer fã de Tolkien fica satisfeito e empolgado com esse filme, mas a parte linda é que ele entrete qualquer público, de tão bom que é. Confesso que o filme todo fiquei na beira do assento com os acontecimentos rápidos e o destino dos personagens. O roteiro tem pouquíssimos e bem colocados alívios cômicos, o que atenua um pouco a tensão presente do primeiro ao quase último momento do longa. 

O destaque de O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos com certeza é a batalha final, que na verdade são várias batalhas numa só. É um caos de guerra muito bem dirigido e as cenas de luta são muito bem coreografadas – tem uma sequência super boa com uma carroça de guerra que parece, em muito, com uma cena dos barris em A Desolação de Smaug. Tudo é tão sensacional quanto foi em O Retorno do Rei: um final épico para uma jornada épica. O figurino é excepcional, a direção de arte é linda e as locações são magníficas, como sempre. Mais uma vez, o elenco dá um show: Martin Freeman (meu amorzinho) como Bilbo é fantástico, Ian McKellen como Gandalf sempre excepcional, Richard Armitage dá um show como Thorin com a Doença do Dragão; os anões Fili (Dean O’ Gorman), Kili (Aidan Turner), Bifur (William Kircher), Bofur (James Nesbitt), Glóin (Peter Hambleton), Óin (John Callen), Bombur (Stephen Hunter), Balin (Ken Stott), Dwalin (Graham McTavish), Nori (Jed Brophy), Dori (Mark Hadlow) e Ori (Adam Brown) têm seus momentos, mesmo que poucos, no filme, com destaque para Kili (um fofo) por conta de seu interesse amoroso em Tauriel (Evangeline Lilly). Lee Pace é Thranduil, pai arrogante de um elfo da floresta que muita gente ama… Também há a participação de personagens importantíssimos da trilogia do Anel: Saruman (Christopher Lee), Galadriel (Cate Blanchett) e Elrond (Hugo Weaving). Adorei que o filme é tão fiel ao livro que até as mortes são iguais às da obra, e assim como os momentos de batlha são fortes, as cenas emocionantes também o são. Sinceramente, A Batalha dos Cinco Exércitos fecha com chave de ouro essa trilogia tão cânonica, bem feita e magnífica como a trilogia original. Aproveito para finalizar esse post deixando aqui minha indignação por estarem produzindo uma série de O Senhor dos Anéis: pra quê gente? Tudo bem, sei que é por dinheiro, mas pra quê estragar o trabalho colossalmente bem feito de Peter Jackson? Parem com isso por favor!

Thor: Ragnarok

Por 3120 Acessos

Thor: Ragnarok

Minha Classificação:
Thor: Ragnarok The Movie DB
de Taika Waititi
Título Original: Thor: Ragnarok
Roteiro: Craig Kyle, Christopher Yost, Eric Pearson
Elenco: Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Cate Blanchett, Idris Elba, Mark Ruffalo, Anthony Hopkins
Estreia: 25/10/2017
País: Australia
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção científica

Thor: Ragnarok é o terceiro filme do Deus do Trovão, em que após procurar as jóias do infinito pelo universo afora e não obter sucesso, Thor volta para Asgard para se consultar com seu pai, Odin, já que os nove mundos que Odin cuida estão em estado de calamidade. Thor então fica sabendo do Ragnarok, uma profecia que indica o fim de seu mundo e que já está sendo cumprida por ninguém menos que Hela, a Deusa da Morte. Ele então vai parar em Sakaar, vira um gladiador e encontra Hulk, juntando assim um grupo para reaver Asgard das cinzas de Hela.

Como boa fã da Marvel, fui ao cinema assistir Thor: Ragnarok e antes de qualquer coisa, preciso destacar que esse filme é, de longe, um dos melhores desse universo. Deixar o filme na mão de Taika Waititi talvez tenha sido uma das decisões mais acertadas que a Marvel já tomou, porque os filmes de Thor eram conhecidos por serem mais sérios e obscuros, e esse terceiro longa ri de sua desgraça do começo ao fim. Desde os primeiros cartazes e o teaser (com essa trilha sonora incrível) dava pra ver que os ares de Ragnarok iam mudar completamente a franquia Thor, e amém que mudou para melhor! A direção é absurdamente incrível em todos os momentos: das cenas mais sérias e tensas às de comédia e luta, é tudo impecável.

O roteiro segue uma linha de ação e aventura, com toques de humor pontuais, mas não cansativos. Penso que o filme não foi “engraçado demais” como muitas pessoas reclamaram, mas faz um bom contraponto com a obscuridade dos anteriores sem menosprezar o grande problema que é a queda de Asgard. Particularmente, achei muitos momentos super divertidos e tanto direção, como montagem e trilha sonora contribuem muito para a experiência incrível que é Thor: Ragnarok – na metade do filme, já queria assistir outra vez. A direção de arte e o figurino são extremamente bem feitos, coloridos na medida certa e condizentes com os personagens (a coroa de Hela é exatamente como nas HQs, que coisa linda!) e locações. A fotografia é escura nos momentos certos, mas o filme em si é bem definido: Sakaar é um pouco mais colorida, extravagante, enquanto Asgard é mais fria (e segue-se essa linha até na presença ou não de Hela, achei muito bom, como se ela deixasse o lugar por onde passa doente). A computação gráfica é sensacional e realmente suspende a crença do espectador, e as cenas de luta são extremamente bem coreografadas e dirigidas, acreditei muito que a galera tava se socando…

Chris Hemsworth dá mais uma vez vida a Thor e prova nesse filme que o Deus do Trovão é sério mas também descontraído, desastrado e pode fazer escolhas infelizes. (O amor da minha vida) Tom Hiddleston está de volta (a internet pira!!!!!) – depois de quatro anos fora do universo Marvel – como Loki, o Deus das Trapaças com seu humor negro e obviamente, pilantragem. Mark Ruffalo é um Hulk (com um CGI fantástico) convencido, cômico e campeão gladiador do Grão-Mestre sensacional de Jeff Goldblum. Cate Blanchett é uma rainha da atuação como a vilã Hela que samba na cara de todo mundo e é poderosíssima. Destaque também para a badass Catadora 142 de Tessa Thompson e para, claro, Heimdall guardião do Bifrost de Asgard de Idris Elba. Ah, tem a participação de um personagem super importante no universo Marvel e um outro que ganhou meu coração, super fofo e protagonizado pelo diretor do filme! Uma das coisas que mais me chamou atenção nesse longa foi que cada personagem teve seu espaço sem tirar em momento nenhum o protagonismo de Thor, sem afetar o ritmo do filme e enriquecendo mais ainda a história.

Tão lindo…

Thor: Ragnarok tem duas cenas pós-créditos, mas apenas a primeira é de suma importância para os próximos longas do universo Marvel, a segunda é só engraçada, mas vale a pena assistir. Recomendo fortemente esse filme para quem gosta de super-heróis, comédia e aventura, mas também para quem está apenas procurando um bom entretenimento. Enfim, aguardo ansiosamente Pantera Negra para saber qual vai ser a deixa para Vingadores: Guerra Infinita, porque estou sentindo que vai dar muito muito ruim e quero ver como essa galera poderosa aí vai se virar numa Terra com Thanos, o ser mais poderoso das galáxias.