Você está em: Início / Author / Cibele Ramos
Cibele

Cibele
    

Apaixonada por livros, Rock e tecnologia. Fez das duas primeiras paixões seus hobbies e da última sua profissão.

Top 5 – Filmes de Terror Novos e Bons

Por 6218 Acessos

Não é incomum ver fãs de terror reclamando como os filmes do gênero não são tão bons quanto os de “antigamente”. Reconheço que existe MUITO filme ruim sendo lançado recentemente, isso vale para todos os gêneros, e sempre teve. Óbvio que para cada série infinita Jogos Mortais ou Uma Noite de Crime é preciso “garimpar” muito até achar alguma coisa boa, mas no intuito de te ajudar, destaco aqui cinco filmes que realmente me fizeram apreciar um tipo de filme que eu já tinha abandonado.

 

A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day) – 2017

Tree (Jessica Rothe) é uma jovem que é assassinada no seu aniversário e tem que reviver o dia de sua morte várias e várias vezes, tentando descobrir quem foi seu assassino, antes que suas chances se acabem.

Esse filme foi lançado e eu não dei a menor atenção, sinceramente achei que seria apenas mais um terror adolescente como tantos por aí, mas o que despertou meu interesse foram os elogios constantes que eu li. A Morte Te Dá Parabéns não tem uma sinopse exatamente inovadora e acaba caindo em certos clichês, mas é no geral um filme extremamente divertido e Jessica Rothe transformou a protagonista em uma das melhores coisas do filme. Não dá pra sentir medo, mas não deixa de ser uma boa diversão. O diretor tem planos para uma desnecessária sequência e, considerando o sucesso do primeiro, não é impossível de acontecer.

 

Leia tudo »

Your Name. (Kimi no Na wa.)

Por 6408 Acessos

Your Name. (Kimi no Na wa.)

Minha Classificação:
Your Name. The Movie DB
de Makoto Shinkai
Título Original: 君の名は。
Roteiro: Makoto Shinkai
Elenco: Ryunosuke Kamiki, Mone Kamishiraishi, Masami Nagasawa, Etsuko Ichihara, Ryou Narita, Aoi Yuki
Estreia: 26/08/2016
País: Japão
Gênero: Romance, Animação, Drama

Mitsuha é uma adolescente que vive numa cidade pequena do Japão. Ela é infeliz por morar no interior e queria poder viver em Tóquio. Taki está no último ano do ensino médio e está acostumado com a vida que vive como filho único na cidade grande. Por algum motivo que ninguém sabe explicar, Mitsuha e Taki trocam de corpo e vivem a vida um do outro por um período de tempo. Apesar de não se conhecerem e viverem vidas bem distintas, eles sentem uma ligação muito forte e começam a procurar um pelo outro.

Essa sinopse é bem superficial porque eu realmente não quero estragar nada da história para você. Não vou mentir que essa coisa de “troca de corpo” eu vejo desde criança em filmes como Se Eu Fosse a Minha Mãe (e seu remake Sexta-Feira Muito Louca) passando por Coisas de Meninos e Meninas até o nacional Se eu Fosse Você, então não é algo que hoje em dia atraia minha atenção. Mas Your Name. é o anime de maior bilheteria de todos os tempos então já dava pra saber que tinha algo de diferente. E tem mesmo.

A primeira coisa que dá pra reparar já nos primeiros segundos de exibição é a qualidade visual. A fotografia do anime é LINDA, é sem dúvida uma das animações mais visualmente bonitas que já vi. Isso é sem dúvida um grande mérito mas nem de longe é o único. O roteiro é também muito bom. Eu fiquei completamente envolvida pela história e fui pega de surpresa diversas vezes por acontecimentos que mudaram completamente o rumo do que eu estava assistindo. Apesar de ter uma premissa batida, o desenvolvimento é totalmente diferente de qualquer outro do gênero. 

Eu não cheguei exatamente a ler críticas mais detalhadas antes de assistir e somando isso à minha falta de interesse com essa ideia batida, fui esperando ver um filme apenas mediano. Lindo e bem executado, sem dúvida, mas com uma história não muito surpreendente. Obviamente eu estava enganada já que o filme é bom em todos os sentidos. O roteiro brinca com suas expectativas e emoções o tempo inteiro e o jeito de contar a história me incomodou um pouco no começo, acho que deve ter sido particularmente confuso para quem viu sem ler a sinopse, mas isso foi totalmente justificável no desenrolar da narrativa.

Como sempre, Hollywood não pode ver que outro país fez um filme bom e já quer fazer remake, então J.J. Abrams está envolvido no projeto do live action americano. Apesar de confiar muito no trabalho do J.J. acho que não tem como refazer algo que já está tão bom. Eu acabei o anime seriamente impressionada e apaixonada então tenho zero esperanças de que essa nova versão vá trazer algo de bom. Espero estar errada mais uma vez.

Top 5 – Fui Otária (ou Filmes Com Reviravoltas que eu Não Previ)

Por 3539 Acessos

Quanto mais filme/série/livro a gente conhece, mais difícil fica se impressionar com reviravolta porque a maioria já vimos por aí. No entanto, às vezes surgem uns plot twists maravilhosos e todos os dessa lista me fizeram de otária da primeira vez que vi e tenho certeza se visse hoje em dia seria otária de novo. Ainda bem que eu gosto né?

OBS: Tentei ao máximo não colocar spoilers e faça um favor pra você: não tente prever as reviravoltas.

 

Vidas em Jogo (The Game) – 1997

Nicholas Van Orton (Michael Douglas) é um banqueiro milionário que acorda apreensivo e preocupado no dia em que completa 48 anos de vida. Motivo: seu pai havia se suicidado exatamente com esta idade. O dia de Nicholas, que já começa estranho, piora ainda mais quando ele ganha um presente especial de seu irmão Conrad (Sean Penn): um cartão que lhe dá acesso a um divertimento diferente, completamente inédito, promovido por uma suposta empresa chamada “Serviços de Recreação do Consumidor”. A partir daí, a vida do milionário se transforma num verdadeiro inferno: todos à sua volta parecem querer matá-lo, e nem a polícia é capaz de entender o caso. Diante disso, o perturbado banqueiro percebe que terá de lutar sozinho para se manter vivo.

Esse filme é dirigido pelo David Fincher que já me fez de otária em Se7en, Clube da Luta e Garota Exemplar (acho que não fui otária nos outros dele) então eu já comecei a ver o filme determinada a não passar vergonha. Pois passei. A história começa suave e daqui a pouco vai virando tudo uma bola de neve, aí você pensa que sabe o que tá acontecendo mas não sabe não. E só vai saber nos últimos minutos quando o diretor esfregar a verdade na sua cara. Porra, Fincher!

Leia tudo »