Top 6 – Motivos Para Assistir Star Wars

Por 6060 Acessos

Em 2017 a saga Star Wars completa 40 anos de história, com fãs ao redor do mundo inteiro e de todas as gerações. Como amanhã estréia o oitavo episódio da franquia, chamado de “Os Últimos Jedi” no Brasil (alô spoiler já no título nacional), resolvi listar aqui alguns dos motivos que me fazem amar esses filmes e que talvez sejam os mesmos pelos quais a magia de Star Wars é fortemente presente mesmo depois de quatro décadas de existência (me deixa ser fangirl um pouquinho por favor). Vai que lendo esse top você não fica com vontade de assistir também?
(Que fique claro aqui que o amor é pelos episódios IV, V, VI, VII e Rogue One; da trilogia I, II e III que é prequel, não gosto muito, mas tem seu papel e é canônica, então por mais que não seja mencionada com afeto aqui no post, aconselho que seja assistida junto dos outros filmes, tá bem? Então tá bem.)

 

Mulheres Fortes

Jyn Erso, Princesa Leia, General Leia e Rey

Star Wars é conhecido por muitas coisas, dentre elas, suas mulheres. O primeiro filme, que foi ao ar em maio de 1977, já começa com uma mulher sendo super fodona: Leia (interpretada pela querida Carrie Fisher, que infelizmente faleceu no ano passado. Que a Força esteja com ela). Ela se salva, ela salva a rebelião, ela salva os amigos, ela tem personalidade forte, ela luta e ainda é uma princesa! Quem disse que princesas não podem ser fortes? Daí que no episódio VII ela se torna General da Resistência, lutando contra os ditadores da Primeira Ordem, sucessores do Império Intergalático! E temos também Jyn Erso (Felicity Jones), que teve um papel mega importante para a rebelião em Rogue One e que também marca pela personalidade incrível, pela força e pela atitude. E, claro, Rey (Daisy Ridley). A protagonista da nova trilogia de Star Wars é apenas uma piloto, mecânica, lutadora… Nossa senhora como isso é importante! Ela é uma sobrevivente, é inteligentíssima, é carismática, é apenas sensacional. Mas o mais importante disso tudo tudo: nenhuma delas é sexualizada! Elas usam roupas plausíveis, elas são tratadas com o respeito como os seres humanos que são, e elas têm voz, profundidade e protagonismo. Menção honrosa para Padmé Amidala (Natalie Portman) e  também para as figuras de liderança política interpretadas por mulheres – que são muitas dentro da saga.

 

Piadas Constantes/Bem Colocadas

Eu tenho um mau pressentimento sobre isso.

Sim, já assisti todos os filmes de Star Wars duzentas vezes e sim, ainda rio das piadas. Mesmo já sabendo até algumas falas dos filmes, ainda me surpreendo com a capacidade que o roteiro tem de encaixar boas piadas, com bom timing e sem serem forçadas no contexto dos longas. Todos os personagens são sóbrios, porém como todo mundo na vida real – e também na intergalática, veja só – em algum momento eles serão alívio cômico e soltarão alguma fala engraçada. É uma ficção científica que tem um tipo de humor muito característico, o que nos leva às piadas/falas recorrentes. Em todos os filmes da franquia, em determinado momento alguém vai soltar um “I have a bad feeling about this.” ou variações, porque sinceramente, os personagens desses filmes passam por péssimos bocados, e esse sentimento sempre se prova correto. Na trilogia original, ou seja, episódios IV, V e VI, algum personagem vai chamar a Millennium Falcon (nave do Han Solo) de “lixo” ou “tranqueira” – e isso se repetiu no episódio VII, fan service total! Além disso temos, claro, os memes que os fãs fazem por essa internet de meu Deus que são uns melhores que os outros.

 

Personagens Bem Construídos

Chewbacca (Chewie), Han Solo, Luke Skywalker, Mestre Yoda e Obi-Wan (Ben) Kenobi

Finn, Kylo Ren e Poe Dameron

Como já falei das mulheres fortes de Star Wars, agora é hora de falar dos outros personagens. Seja um Wookie, seja um humano ou um serzinho verde que tem 900 anos, todo personagem tem seu papel bem delineado e bem colocado ao longo dos filmes – seja na trilogia original ou nessa nova (lembrando que os episódios I, II e III não estão citados nesse tópico por razões acima mencionadas). O roteiro da saga inteira tem espaço para desenvolvimento dos personagens. Crescimento pessoal, par romântico lógico, lutas com sabres de luz, tramas políticas… cada um tem sua importância e pode ser determinante para o destino da galáxia. Os protagonistas passam por aventuras incríveis e é óbvio que isso os faz crescerem como personagens dentro da história, e o melhor de tudo é que você se apega a todos eles. O espectador gosta de ver Luke (Mark Hamill) se tornando um Jedi, gosta de ver o dinamismo entre Chewie e Han (Harrison Ford), gosta de ver o Yoda falando no dialeto dele, gosta do Obi-Wan (Alec Guinness) espectro ali, gosta da mira de bosta dos Stormtroopers… E nesse episódio VII não foi diferente: o carisma de Finn (John Boyega) conquista, Poe Dameron (lindo maravilhoso Oscar Isaac casa comigo) tem seu papel na resistência e Kylo Ren (Adam Driver) é um vilão muito bom e, cuja pretensão não é sobrepujar o ícone Darth Vader. É tudo muito real, muito bem feito e muito apaixonante. 

 

Os Droids

K-2SO, C-3PO, R2-D2 e BB-8

Na galáxia de Star Wars os droids são amplamente utilizados, e na saga em si eles têm uma importância imensa. Gosto deles porque têm tanto espaço como personagens humanos e têm um carisma contagiante. Cada um deles tem uma personalidade (sim, personalidade em um “robô”) diferente, e apenas somam à complexidade do universo de Star Wars. K-2SO é engraçado e irônico, C-3PO é um droid protocolo bem humanizado, R2-D2 é praticamente melhor amigo de Luke Skywalker, bastante determinado e fiel e BB-8 gente! Apenas o droid mais fofo da galáxia.

 

Darth Vader

Não me faça destruí-lo.

Escolhi colocar Lord Vader como um motivo à parte porque ele é apenas o personagem mais icônico de Star Wars. Um vilão complexo, muito mau mesmo, sem piedade de ninguém: mais máquina que homem. Mais até que o Imperador, Darth Vader é o símbolo do lado Negro da Força e o que acontece quando um jedi resolve se corromper e se tornar um lorde Sith. Ultra poderoso na Força, Vader é o tipo de personagem que não dá para não gostar, ainda mais depois de um dos melhores plot twists da história da humanidade (é sim, nem vem desmentir) que acontece no fim do Episódio V: O Império Contra-Ataca – que aliás é o melhor episódio de Star Wars – e que todo mundo sabe qual é, mas não vou falar aqui. E, obviamente esse visual que é muito do cacete! Esse capacete, o som que ele faz ao respirar, essa roupa toda preta, esses painéis eletrônicos ligados ao corpo dele e o sabre de luz vermelho; tudo isso só faz de Vader mais emblemático e amado ainda. Fala sério, ele é demais! Os episódios I, II e III contam a história de como Anakin Skywalker se tornou Darth Vader, e para mim, os filmes seriam muito bons caso não tivessem erros graves de roteiro entre outras coisinhas mais, porém como disse lá em cima, acho importante que sejam assistidos porque fazem parte do cânone de Star Wars.

 

Mitologia Complexa

Mais do que uma adaptação da jornada do herói ou monomito, Star Wars tem toda uma mitologia por trás. O legado da história de George Lucas é tão extenso que o universo cânone abrange os filmes, livros, histórias em quadrinhos, animações de TV e até os video games. É tudo muito bem amarrado, de forma que todo o conjunto faça sentido. Os responsáveis por essa saga têm noção da importância que ela tem, por isso todos os elementos são compostos com cuidado e carinho. Como diria Érico Borgo: “Sou fã, quero service!” e os caras de Star Wars levam isso bem a sério, especialmente no Episódio VII: O Despertar da Força que tem referências aos primeiros episódios feitas com muito respeito. É tão gostoso quando o fã se sente especial, essas coisas parecem um abraço em nossos corações! George Lucas tirou suas inspirações para criação desse universo super extenso de diversos lugares, mas as mais famosas são dos filmes de samurai de Akira Kurosawa – você sabia que já tinha visto esse capacete do Vader em algum lugar, né?! – e nos mitos clássicos gregos como Hércules e Perseu. Bem nerdão mesmo. Aliás, Obi-Wan Kenobi foi inspirado no Gandalf de Tolkien. Ah, falando nisso, George Lucas achou que seu filme fosse ser um fracasso de bilheteria, por isso que o fim do Episódio IV: Uma Nova Esperança, primeiro filme da franquia é tão bem amarradinho. Também já li que o diretor apostou com seu amigo Steven Spielberg que Contatos Imediatos de Terceiro Grau daria bem mais dinheiro que Star Wars e Spielberg apostou o contrário, então eles combinaram que quem vencesse ficaria com 2,5% dos royalties do filme do outro: agora imagina o dinheiro que Spielberg ainda ganha com Star Wars… Uma curiosidade que li em algum lugar: quando Star Wars estreou em 25 de maio de 1977, George Lucas achou que ia ser tamanho fracasso que ele foi tirar férias no Havaí, daí quando voltou viu uma fila gigante no cinema e não acreditou que era para assistir seu filme! Os amigos do diretor comentam até hoje que as pessoas saíam das sessões e entravam na fila para assistir novamente, e também aplaudiam o filme desde a primeira cena… Entendo esse sentimento.

 

Motivo Extra: Sabres de luz

É uma espada samurai que brilha! Rs, brincadeira. Mas sim, é uma arma usada por Jedis e Siths, que nada mais é que uma lâmina de plasma alimentada por um cristal kyber emitida por uma base metálica. Esses cristais são majoritariamente encontrados nas cavernas de Dantooine, e cada cor de cristal tem um significado. É uma arma que exige prática e treino, mas é sensivelmente melhorada em combate quando usada com a Força. Quer arma mais legal????? 




Deixe um comentário

*