A Biblioteca Invisível – A Biblioteca Invisível 1

Por 7183 Acessos

    Livros da série A Biblioteca Invisível:

  1. A Biblioteca Invisível
  2. The Masked City
  3. The Burning Page
A Biblioteca Invisível – A Biblioteca Invisível 1

Minha Classificação:
A Biblioteca Invisível (A Biblioteca Invisível #1) goodreads
de
Publicação: em 2016
Gênero:
ISBN: 9788592795085
Título Original: The Invisible Library
Páginas: 368
Tradução: Regiane Winarski
Compre em lojas confiáveis:
saraivafnacculturaamazon
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

Irene é uma Bibliotecária júnior, seu trabalho consiste em ir aos vários mundos alternativos recolher edições de livros que sejam importantes para a Biblioteca. Ela não pode interferir com esses mundos e precisa fazer o trabalho da forma mais objetiva e discreta possível. Após voltar de um missão em um alternativo, sua supervisora já tem uma nova missão, resgatar uma cópia de um livro dos irmãos Grimm do alternativo B-395, em uma Londres paralela em 1812. Além de já ter que sair em uma nova missão, dessa vez ela estará encarregada de um aprendiz, Kai, que é deixado sob os seus cuidados.

O objetivo da Biblioteca era esse: pelo menos o que lhe fora ensinado. Não se tratava de uma missão maior de salvar mundos, mas de encontrar obras únicas de ficção e guardá-las em um lugar fora do tempo e do espaço.

Ao traçar o caminho para entrar no alternativo, sempre dentro da Biblioteca, Irene acaba encontrando com uma colega e desafeto antigo que tenta tomar a sua missão, deixando transparecer que talvez essa missão seja mais difícil que o esperado, ainda mais depois de descobrir que esse alternativo está tomado pelas forças do Caos e se encontra atualmente em quarentena. Chegando no alternativo ela descobre que o livro está sumido e que várias sociedades e facções estão atrás dele, como pouca desgraça é besteira, a Biblioteca também envia uma aviso que o Alberich está nesse alternativo, um traidor da Biblioteca que é praticamente uma lenda e que deixa um rastro de destruição e morte para os bibliotecários que encontra.

Havia três motivos básicos para Bibliotecários serem enviados a alternativos para encontrar livros específicos: porque o livro era importante para um Bibliotecário sênior, porque o livro teria algum efeito na Linguagem ou porque o livro era específico e único àquele mundo alternativo.

Num primeiro momento a premissa parece muito com a série The Librarians, existe uma Biblioteca que fica fora do tempo e do espaço e os Bibliotecários precisam buscar coisas para trazer até ela. Porém, conforme vamos avançando na história as diferenças vão surgindo e o sentimento de estar lendo sobre a série desaparece. Outra questão é que demorei para entrar na história, isso aconteceu apenas no meio do livro, parece uma premissa que todo leitor vai adorar, mas as regras são meio confusas e vão sendo jogadas com construções de frases enormes que me fez ficar com aquele sentimento de estranhamento até a metade do livro.

Os Bibliotecários possuem um poder chamado de Linguagem, é como se eles dessem uma ordem em uma língua suprema em que as coisas teriam que obedecê-los, e só quem também está ligado com a Biblioteca é que consegue entender. Só isso já seria complicado o suficiente, só que nunca fica muito claro essa questão, se eles só podem usar para fazer algo ou alguém fazer aquilo que querem fazer ou se podem forçar objetos e pessoas a irem contra a sua natureza, são conceitos que não estão muito bem estabelecidos nesse primeiro livro e você não entende muito bem como funciona ou quais são as consequências. 

Passado esse estranhamento inicial a narrativa engrena. A aventura da Irene e do Kai é cheia de ação e correria e logo estamos apegados aos personagens e ao destino deles. Ainda não conhecemos muito bem a Biblioteca ou a política de lá, apesar dos personagens comentarem sobre isso o tempo todo, e acredito que a autora irá explorar mais isso nos outros livros, porque ficou no ar uma questão dúbia sobre a Biblioteca e a sua real função. A história tem uma premissa interessante e foge de certos padrões de fantasia o que me deixou feliz por sair um pouco do mais do mesmo e indico fortemente para quem também gosta de histórias assim.

(…) Era uma biblioteca estranha, pois guardava livros de mil mundos, mas ficava fora de todos eles.


Você leu esse livro ? Avalie também!
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas




Deixe um comentário

*