A Sociedade do Anel – O Senhor dos Anéis 1

por • 10101 Acessos

    Livros da série O Senhor dos Anéis:

  1. A Sociedade do Anel
  2. As Duas Torres
  3. O Retorno do Rei
A Sociedade do Anel – O Senhor dos Anéis 1

Minha Classificação:
A Sociedade do Anel (The Lord of the Rings, #1) goodreads
de
Publicação: em 2002
Gênero:
ISBN: 9788533615557
Título Original: The Fellowship of the Ring
Páginas: 566
Tradução: Lenita Maria Rímoli Esteves
Compre em lojas confiáveis:
saraivaculturasubmarinoamazonkobokindle
A compra pode render comissão ao blog.

Capa original

Não sei por qual motivo, razão ou circunstância eu cismei com O Senhor dos Anéis. Foi bem do nada, mas eu corri atrás dos livros como louca (pelo amor de deus 71 reais um livro, jamais!) e, numa promoção caída do céu, consegui comprar a trilogia. Contra tudo e todos eu li o primeiro e não poderia estar mais satisfeita com a minha cisma!

Frodo é um jovem hobbit que mora com seu tio Bilbo Bolseiro na Vila dos Hobbits, no Condado. Bilbo é um aventureiro muito rico, e por isso, ao completar 111 anos, uma idade bastante avançada para um hobbit – mas Bilbo ainda tem conservada sua juventude – decide partir novamente do Condado, e nisso, deixa seus bens para Frodo, incluindo um anel. Gandalf, O Cinzento, mago poderosíssimo e amigo de longa data de Bilbo e Frodo, descobre que o anel deixado por Bilbo é o Um Anel, forjado pelo Senhor do Escuro para governar a todos e submetê-los às Sombras de seu vil poder! Portanto, cabe a Frodo, como Portador do Anel, partir em uma missão para destruí-lo o mais rápido possível, pois o Senhor dos Anéis está recuperando seu poder e procurando incessantemente o Anel para que possa assim, subjugar a todos na Terra-Média.

Parou, e então disse lentamente, numa voz profunda: – Este é o Anel-Mestre, o Um Anel para a todos governar. Este é o Um Anel que ele perdeu há muito tempo, o que causou um grande enfraquecimento de seu poder. Ele o deseja muito, mas não deve obtê-lo. Pág. 69

Quando eu cismei que queria ler O Senhor dos Anéis, não foram poucas as pessoas que vieram até mim me dizendo que os livros eram insuportavelmente chatos, muito descritivos e massantes. Eu ignorei todo mundo e comecei a ler o primeiro livro de mente e coração abertos, e não poderia ter feito coisa melhor. Realmente A Sociedade do Anel é um livro denso, pois acontecem muitas coisas em um curto período, mas não achei nem um pouco chato; acho que Tolkien se utilizou da descrição para poder situar o leitor na Terra-Média, para que houvesse uma dimensão certa do mundo que ele estava criando ali. O autor deu mais importância aos acontecimentos do que ao desenvolvimento próprio de caráter dos personagens, e eu não achei isso ruim, pois o que está sendo narrado ali é uma jornada praticamente suicida de quatro pequenos hobbits completamente despreparados, um guardião, um mago, um elfo, um anão e um homem grande que estão indo para Mordor destruir o Anel que o pior cara do mundo quer achar! Então não haveria tempo de se aprofundar na personalidade de ninguém ali, o foco é o que tá acontecendo com todo mundo (principalmente com o Frodo, tadinho, só se ferra) por causa do Um e da fúria desregrada de Sauron.

Glorfindel sorriu. – Duvido muito que seus amigos fiquem em perigo se não estiverem com você – disse ele. – A perseguição continuaria atrás de você, deixando-nos em paz. É você, Frodo, e o que você carrega, que nos traz todo o perigo. Pág. 295

O mundo fictício que Tolkien cria é impressionante. Esse livro foi publicado em 1954, e literatura fantástica complexa desse jeito ainda não havia naquela época; ele conseguiu juntar elementos já conhecidos de uma forma que funciona muito bem, que dá pra entender e cativa. Ao longo da leitura, eu conseguia imaginar as criaturas e lugares (eu vi os filmes em 2004, minha memória não dura nem um dia, quem dirá 12 anos!) por onde os hobbits/a Comitiva do Anel passavam, conseguia ser cativada por elfos, conseguia ter medo dos Cavaleiros Negros e ficar nervosa com os Orcs em Moria – gente, o livro tem mil anos e os filmes também, então já prescreveu a Lei do Spoiler já. As aventuras vividas são incríveis, e devo confessar que a história e os efeitos do Um nos personagens é minha parte preferida, porque mostra como o poder pode corromper quem quer que seja (tanto que quando Frodo oferece o Anel de bom grado tanto para Gandalf quanto para Galadriel, os dois se sentem extremamente tentados, mas o recusam).

– Você não pode passar! – disse ele.

Logo após ter terminado de ler o livro, assisti o filme. É bem fiel ao livro, mas as poucas coisas que mudaram da história são determinantes até demais para o fim dos filmes e aí eu fiquei meio decepcionada, por assim dizer. Essa é minha única ressalva ao filme, pois as locações são magníficas, os personagens e o figurino são incríveis, muito bem feitos – queria agradecer especialmente ao ser humano que selecionou o Viggo Mortensen para fazer o Aragorn, ele é digno de palmas. Confesso que haviam algumas coisas que eu gostei muito no livro (Píppin ♥), mas não vi ou vi muito pouco no filme, e eu entendo muito, pois um livro denso, em que mil coisas acontecem, não poderia ser passado totalmente para a tela, por isso eles focaram nos acontecimentos da Comitiva em si – e olha que a versão estendida tem 3 horas e 48 minutos de filme. Vou continuar lendo os livros e espero que sejam tão bons quanto o primeiro, pois já estou apaixonada (e meio obcecada também) pela trajetória de Frodo e seus companheiros.

*Suspiro*

*Suspiro*

Se gostou do post não deixa de compartilhar nas redes sociais ou comentar ali embaixo ♥


Você leu esse livro? Avalie também!
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas
(1 votos, média: 5,00 de 5)




Deixe um comentário

*