Mad Max: Estrada da Fúria

por • 8400 Acessos

Mad Max: Estrada da Fúria

Minha Classificação:
Mad Max: Estrada da Fúria The Movie DB
de George Miller
Título Original: Mad Max: Fury Road
Estreia: 15 Maio 2015
País: Australia, USA
Gênero: Ação, Aventura, Sci-Fi
Roteiro: George Miller, Brendan McCarthy, Nick Lathouris
Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Hugh Keays-Byrne
Duração: 120 min

Comentários em preto são meus e em azul da Mayra. Vem ler e amar essa maravilhosidade feminista do cinema.

Eu me lembro de quando era pequena e Mad Max 3 – Além da Cúpula do Trovão passava direto na TV aberta, mas nunca vi porque 1)era criança 2)não gosto de filme de ação. Vi o trailer do novo quando estava no cinema para assistir outro filme e achei muito bom, mas ainda não estava convencida. O que me convenceu mesmo foi saber que era um filme de ação feminista. Onde mulheres (mulhereS, no plural!!) não são apenas “donzelas em perigo”, mas agentes da revolução. Antes de ver Mad Max: Estrada da Fúria eu decidi ver os outros três, afinal por que não? Existem curtas na franquia, mas não são do George Miller então pra mim não conta. Não acho que seja obrigatório fazer o que fiz, mas é sem dúvida interessante para entender algumas referências no novo filme. A saber: nos anteriores as mulheres não são tão poderosas quanto aqui. Cada filme tem mulheres de destaque, mas são apenas coadjuvantes para o protagonismo do Max do Mel Gibson.

Confesso que nem tinha me ligado em Mad Max antes da estréia na gringa: não tinha lido sinopse, visto trailer ou procurado saber do que o filme se tratava exatamente; eu só sabia que era uma continuação de uns filmes dos anos oitenta que eram com o Mel Gibson e o de agora ia ser com o Bane lindo e gato e inglês casa comigo Tom Hardy. Isso foi até o momento que eu abri o Twitter e vi que o filme era um acontecimento e vejam só, porque é feminista. Eu li horrores de textos, tweets sem spoilers e tal, mas o que me fez ir ao cinema num sábado à noite, sozinha, doente e muito menos sem assistir o trailer foram as reclamações dos babacas. Isso mesmo, eu vi um filme porque vários homens reclamaram e não posso dizer de forma nenhuma que me arrependi.

You know… Hope is a mistake. If you don’t fix what’s broke, you’ll go insane. Você sabe… Esperança é um erro. Se não consertar o que está quebrado, irá enlouquecer.

Mad Max: Estrada da Fúria se passa num mundo pós apocalíptico onde a raça humana se digladia por gasolina e água, e as terras são áridas e inférteis. Max Rockatansky (Tom Hardy), um ex policial, agora é um andarilho solitário assombrado pelos fantasmas daqueles que não pôde salvar. Sequestrado por Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), um soberano bizarro, ele se vê como uma Bolsa de Sangue de um dos War Boys, guerreiros suicidas que são devotos de Immortan Joe e por isso acaba se envolvendo numa guerra em meio a uma estrada pois Imperator Furiosa (Charlize Theron), decide salvar as esposas de Immortan Joe de seu captor e ele está disposto a tudo para recuperá-las.

tumblr_nokxoeFSCH1t2jcq6o3_500

Todo o hype que o filme vem causando já me fez começar ansiosa pela primeira aparição de Charlize Theron como Imperator Furiosa (olha que nome maravilhoso, sério, olha) e não me decepcionei. Uma mulher guerreira, líder e o enredo é movido basicamente por ela. Foi uma grata surpresa depois de 3 Mad Max com homens, homens e homens, mas Furiosa não é a única mulher do filme. O filme passa lindo no Teste de Bechdel e todas, eu disse TODAS, as mulheres são maravilhosas. Os problemas e ponto de partida desse filme também são muito maiores do que apenas a eterna luta por combustível dos outros. Tom Hardy traz de volta o personagem de Mel Gibson com a mesma personalidade enfadonha dos demais. As cenas de ação estão ESPETACULARES, a fotografia linda e os quadros perfeitos de que tanto senti saudade no 3 estão de volta. Não sei se o tempo fez bem para a criatividade do George Miller ou se foram os recursos atuais que permitiram que o diretor/roteirista levasse sua loucura ao auge. Os carros da produção são um show a parte, mas é cada um mais louco que o outro. É necessária, sem dúvida, uma grande dose de imaginação para fabricar tudo aquilo.

Mad Max: Fury Road (2015)

Eu insisti e insisti pra Cibele ver o filme também porque eu SABIA que ela ia ficar obcecada que nem eu (beijos pra Garota Exemplar) e não deu outra. Mal ela acabou de ver o filme, já começou a escrever o post! O longa é muito bem dirigido e muito bem atuado, a fotografia é linda e por mais que o filme se passe num deserto, é visualmente agradável. É claro que tem muitas explosões e fogo e tiros como Mad Max tem, os efeitos especiais são impecáveis, bem “filme para homens”. E foi justamente por isso que gerou todo esse buzz na internet: os homens de Mad Max – até o Max! – são tão personagens como as mulheres. Como assim? Sim, as mulheres têm um papel decisivo e protagonizam a trama também, assim como Max (que foi alvo de reclamações porque ele tem poucas falas no filme e o diretor George Miller fez questão de frisar que o personagem sempre teve essa característica introspectiva e calada). E tem A Mulher: Imperator Furiosa. Só de falar nela, já me arrepio toda! Ela é forte, decidida, inteligente e amor infinito; ela e Max trabalham em conjunto e um não eclipsa o outro dentro do filme, são complementares. Ela é só sororidade e acima de tudo quer encontrar redenção através do salvamento das esposas. Ela luta bem, atira bem, dirige bem. Inclusive um dos momentos mais legais do filme é quando SPOILER passe o mouse para ver Max percebe que ele não é tão bom atirador e entrega a arma pra Furiosa que usa o ombro dele de apoio.Ela está lá, do início ao fim, sendo forte e maravilhosa e sensacional. Não aguento de amor por ela, sério. E depois que li e vi entrevistas com a Charlize Theron, acabei virando fã dela também, que mulher incrível! Vocês sabiam que ela rolava na areia antes de gravar porque ela achava que máquinas que sopravam a areia nela eram desnecessárias (e eu concordo)?

mad-max-furiosa

Bom, o filme é maravilhoso e carrega consigo não só feminismo mas também muitas críticas sociais que eu só me liguei depois de ler esse texto aqui no Medium Brasil. Outra coisa que eu acho sensacional é o guitarrista que faz parte da trilha sonora do filme e chama muita atenção porque ele é incrível, se balançando lá bem louco tocando guitarra no meio da guerra. Os carros, o caminhão e os caras que são pêndulos ou sei lá o que são um show a parte no quesito visual. Tem umas coisas bem bizarras tipo as amas de leite (que eu ainda não entendi) mas fora isso, é um filme muito bom e de fácil compreensão. Para mim, foi o melhor filme de 2015 e superou e muito Os Vingadores – Era de Ultron, não só pela mensagem e pelo feminismo, mas também pela qualidade cinematográfica, de roteiro e tudo mais. Não é um filme pipoca e fácil de engolir, acho que muita gente pode não curtir por conta disso, mas olha, recomendo e muito, principalmente para colegas feministas.

mad-max-fury-road-flame-guitar-george-miller-action-film-review

Já tem um novo filme previsto para 2017 chamado Mad Max: The Wasteland, apesar de saber que não vai ser com a Furiosa, afinal os filmes dessa franquia tendem a ser histórias únicas de lugares por onde o Max passa, alimento a esperança de ver mais mulheres maravilhosas por quem possa ficar obcecada depois.

Se gostou do post não deixa de compartilhar nas redes sociais ou comentar ali embaixo ♥


Você viu esse filme? Avalie também!
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas
(4 votos, média: 4,25 de 5)




Trackbacks/Pingbacks

Deixe um comentário

*